CPFL | 100 Anos Gerando História
Projeto Memória Viva
Home -  Nossas origens -  Empresa de Força e Luz de Ribeirão Preto
Voltar

Empresa de Força e Luz de Ribeirão Preto - Ribeirão Preto - SP - Empresa FUNDADA EM 1895

Em 1895, os empreendedores Rufino Augusto de Almeida e Trajano Sabóia Viriato de Medeiros criaram a Rufino A. de Almeida & Cia., que construiu uma pequena usina hidrelétrica no ribeirão Preto e, neste mesmo ano, passou a abastecer de energia elétrica o então distrito de Cravinhos, no município de Ribeirão Preto.

Rufino de Almeida foi um dos pioneiros que, no início do século 20, procurou introduzir a eletricidade no interior paulista, atuando também na cidade de Jaú.

Em 1898, um ano após a emancipação de Cravinhos como município autônomo, a Câmara Municipal de Ribeirão Preto autorizou a Rufino A. de Almeida & Cia. a iluminar as ruas e praças da cidade. A empresa de Rufino mudou seu nome para Empresa de Força e Luz de Ribeirão Preto e, em junho de 1899, inaugurou a iluminação elétrica nas ruas e praças ribeirão-pretanas.

Em 1909, a empresa passou para o comando da família Silva Prado, que explorava o serviço de energia elétrica em várias regiões do estado de São Paulo.

Sob o comando do poderoso grupo Silva Prado, a Sociedade Anônima Empresa de Força e Luz de Ribeirão Preto expandiu sua área de atuação nas décadas de 1910 e 1920, chegando a localidades como Jardinópolis, Nuporanga, São Joaquim da Barra, Barretos, Igarapava, Aramina, Buritis, Pedregulho, Rifaina e Ituverava.

Para tanto, construiu usinas hidrelétricas em municípios como São Joaquim da Barra (usina Evangelina - atualmente usina São Joaquim -, no rio Sapucaí, inaugurada em 1912), Buritizal (usina de Buritys, no rio Bandeira, inaugurada em 1922) e Nuporanga (usina de Dourados, no rio Sapucaí, inaugurada em 1926).

Em 1927, a Empresa de Força e Luz de Ribeirão Preto S.A. foi vendida à multinacional estadunidense Amforp (American & Foreing Power), que adquiriu a CPFL no mesmo ano.

Em 1947, a Empresa de Força e Luz de Ribeirão Preto S.A., por decisão da controladora Amforp, foi incorporada à CPFL.